Mais de R$ 100 milhões investidos na saúde privada do Rio de Janeiro. A cifra vem do aporte feito pelo CHN (Complexo Hospitalar de Niterói), que inaugura, no dia 27 de setembro, as Unidades IV e V, o que o torna o maior complexo de saúde do estado, com uma área de 34 mil metros quadrados, localizada na Rua Marquês de Olinda 26, onde ocupa um quarteirão inteiro no Centro. Com a expansão, o hospital dobra de tamanho, disponibilizando 71 novos leitos, novas unidades de terapia intensiva (UTIs) – cardiológicas e pediátricas –, seis serviços de emergência especializados e o mais moderno serviço de imagem e diagnóstico da região Norte-Leste Fluminense.

Além de expandir, o hospital inova, criando um conceito pioneiro no país: o Complexo de Emergências. Com 2.200 metros quadrados exclusivos para o Serviço de Emergência, o CHN concentra seis serviços de emergência especializados: cardiologia; traumatologia; obstetrícia; atendimento adulto, infantil e ortopedia.

De acordo com Ilza Boeira Fellows, diretora-geral do CHN, com a implementação, o hospital atinge um patamar para atendimento integral ao paciente emergencial.

“Nos tornamos a emergência mais completa do setor privado no estado do Rio de Janeiro, em um momento em que a procura por médicos especialistas de plantão tem sido um critério decisivo na hora de escolher a qual hospital recorrer”, enfatizou Fellows.

A Unidade IV ainda abriga 45 leitos de terapia intensiva, sendo 18 na nova UTI Pediátrica, 20 na Unidade Cardiológica e sete na UTI de retaguarda, dedicadas aos pacientes da emergência adulto. Com a aquisição de equipamentos de última geração, como a ressonância magnética de 3 Tesla, o aparelho de tomografia computadorizada de 160 canais e o novo aparelho de ultrassonografia, o hospital vai gerar maior rapidez na realização de exames e menor exposição do paciente à radiação, além de incluir Doppler colorido com estudos em 3D e elastografia hepática, de tireoide e mamas.

Já a Unidade V, atualmente, comporta dois pavimentos de estacionamento, totalizando 47.800 metros quadrados de área construída, somando mais de R$ 40 milhões em novos investimentos. O projeto ainda prevê, para final de 2017 e 2018, a entrega de mais 84 leitos de transplante com pressão positiva e filtros HEPA, o Day Clinic de transplante, o Centro de Infusão, outra unidade de diagnóstico, consultórios de apoio, main entrance e back office.

Para diretora-geral do CHN, um dos principais benefícios da expansão é a ampliação da capacidade de atendimento com serviços especializados.

“Com o Complexo de Emergências, nossa capacidade vai passar de 10 para 20 mil casos por mês. Já o número de leitos, que hoje somam 257, vai para 328, com potencial para chegar a mais de 400 leitos quando o projeto de expansão for concluído”, disse Felows, que completou: “humanização é gerar no paciente e em seus familiares o sentimento de segurança e acolhimento, com isso, conseguimos mais aderência ao tratamento. Erguer prédios qualquer um pode fazer ou copiar. Mas, para nós, a diferença é investir cada vez mais no fator humano, na vocação de cuidar, de promover saúde e de gerar bem estar ao paciente”.